a

PERGUNTAS FREQUENTES

O que é um voo parabólico e para que serve?

Ainda antes de o Homem ir ao espaço, foi necessário recriar a ausência de gravidade sem entrar em órbita para perceber se o corpo humano se podia adaptar e sobreviver em condições de gravidade zero. A resposta chegou na década de 1950 com os voos parabólicos.

Os voos parabólicos, a bordo de aviões como o A310-0G, são uma das melhores (e praticamente a única) formas de simular um ambiente de microgravidade com tripulantes a bordo. O que permite este efeito são, precisamente, as parábolas que o avião descreve.

Como funciona um voo parabólico?

O Airbus A310-0G permite a realização de manobras específicas chamadas de parábolas, possibilitando aos passageiros experienciarem até 22 segundos de gravidade reduzida ou microgravidade. Como? Através de três fases. Na primeira, o Airbus A310-OG atinge a sua velocidade máxima, de 830 quilómetros por hora, acelerando em e criando forças de 1.8 vezes a aceleração da gravidade durante 20 segundos. Nesse momento, os tripulantes sentem quase o dobro do seu peso.

Depois, com a aeronave nuns precisos 47° graus de inclinação, inicia-se a segunda fase — e é aqui que a aceleração do avião é reduzido a quase zero, para que o avião descreva, então, uma parábola. Continuando em sentido ascendente, o Airbus atinge um ponto de altitude máxima da parábola para depois começar uma descida vertiginosa. Toda a parábola dura 20 segundos. É durante este momento que os passageiros flutuam. Por fim, o piloto estabiliza o avião para que este retome o voo horizontal.

Quem está aos comandos do avião?

Ao contrário dos voos comerciais, o Airbus A310 Zero G é pilotado simultaneamente por três tripulantes no momento de realizar cada parábola. Um dos pilotos controla a inclinação (ângulo de subida e descida do nariz), um segundo piloto domina o movimento de rotação (para manter as asas horizontais) e, por fim, um terceiro piloto, sentado atrás dos dois primeiros, fica responsável pela velocidade do motor, controlando ainda vários parâmetros de voo: avisos, temperaturas e pressão.

Em conjunto, os três pilotos mantêm um nível de aceleração próxima do zero nos três eixos para garantir uma precisão de gravidade zero de cerca de 0,02 g.

Quem pode voar?

Qualquer pessoa com mais de 14 anos pode participar no voo de descoberta, acompanhados pelo astronauta Jean-François Clervoy. Durante os voos parabólicos, os passageiros não precisam de nenhum equipamento específico, nem de nenhum paraquedas — basta deixar que o corpo flutue pela cabine do A310 Zero G.

É seguro realizar um voo de gravidade zero?

O Airbus A310 Zero G realiza as manobras parabólicas, para que foi concebido, em total segurança. Este avião está equipado precisamente para os voos parabólicos e é pilotado por pilotos de teste altamente experientes. A manutenção da aeronave é feita de acordo com um protocolo de manutenção concebido especificamente para este tipo de aviões.

Os voos são acompanhados por tripulantes que ajudam os passageiros a controlar os seus movimentos e a evitar colisões. Os instrutores e o pessoal de segurança que acompanham o voo avisam os passageiros antes que a gravidade volte a atuar, levando-os de volta ao chão do avião, e estão lá para ajudar caso seja preciso, mas a transição é habitualmente muito suave.

Posso ficar enjoado durante um voo parabólico?

É normal que num primeiro voo de gravidade zero te possas sentir enjoado e até doente – acontece a um em cada dez passageiros –, mas para tentar evitar que tal aconteça, a tripulação leva no bolso comprimidos para o enjoo e uns quantos conselhos úteis. 

Antes do voo, toma um pequeno-almoço normal e tenta estar relaxado. Quando começar o voo, procura manter a cabeça imóvel durante as fases de aceleração e espera até estares habituado antes de a aeronave iniciar a parábola.

Se ainda assim enjoares, o mais normal é que o desconforto seja mínimo e de curta duração: a maioria das pessoas sente-se melhor depois de descansar durante alguns minutos.

Em que contexto é promovido este voo?

A campanha “Zero G Portugal – Astronauta por um Dia” é promovida pela Agência Espacial Portuguesa – Portugal Space e é dirigida aos jovens estudantes portugueses que tenham interesse no Espaço.

A missão da Agência Espacial Portuguesa passa ainda por encorajar os jovens a estudar ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) através de iniciativas como esta, motivando-os a seguir, académica e profissionalmente, um percurso no setor espacial e noutras áreas relacionadas com a ciência e a tecnologia.

A campanha “Zero G Portugal – Astronauta por um Dia” conta também com o apoio da Ciência Viva, cuja missão e valores se alinham com os da Agência Espacial Portuguesa e da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Se for um dos selecionados, qual a minha função?

Os finalistas deste concurso serão embaixadores desta iniciativa junto da sua comunidade escolar durante o ano letivo de 2022/23. Assim, são responsáveis por relatar e divulgar a sua experiência junto das suas comunidades escolares, contribuindo para cultivar e estimular o interesse pelo Espaço.

Por que motivo é necessário a autorização de todos os representantes legais?

Participar num concurso nacional como o Zero G Portugal – Astronauta por um dia, com várias etapas a realizar ao longo de cinco meses e de várias formas, e participar num voo em gravidade zero, que é tão fora do normal e com a preparação que envolve, são actos de especial importância na vida dos nossos candidatos que, no caso dos menores, devem ter a concordância da família, pelo que, nos termos da lei, têm de ser autorizados por todos quantos têm responsabilidades parentais/legais.

Porque é necessária que a assinatura seja certificada ou reconhecida?

É necessário que a assinatura seja certificada digitalmente ou reconhecida porque é desta forma que se comprova que a assinatura que consta de um documento é verdadeira (ou seja, que o documento foi mesmo assinado por aquela pessoa em concreto, que a assinatura não foi falsificada).

error: